Comunicação | INFORMATIVOS TÉCNICOS   

 



 

 

 

 

 


CULTURA PARA ESTREPTOCOCOS DO GRUPO B EM GESTANTES

 

O Estreptococo do grupo B de Lancefield ou Streptococcus agalactiae é um coco gram positivo, beta hemolítico, e um potencial agente causador de infecções neonatais que podem até evoluir para óbito. O risco de infecção em recém-nascidos está significativamente aumentado nos nascidos de mulheres colonizadas por este microorganismo nas regiões de vagina e reto que podem chegar até 10 a 30% das gestantes. Como prevenção destas infecções neonatais, é recomendada a cultura de material vaginal e retal das gestantes, para que possa ser realizada a quimioprofilaxia adequada.

PREPARO DA PACIENTE PARA O EXAME
As amostras devem ser colhidas entre a 35ª e 37ª semanas de gestação , pois neste período podem ser obtidos os melhores valores preditivos negativo (97%) e positivo (85%). Para a coleta deste material, não é recomendado banho ou higiene íntima antes da coleta.

AMOSTRAS PARA ANÁLISE
Swab vaginal + Swab retal. É recomendado que sejam sempre colhidas amostras destes dois sítios, uma vez que a origem da colonização geralmente é retal, com posterior contaminação da vagina, e somente a pesquisa negativa de material vaginal não exclui uma colonização no reto.

COLETA DA AMOSTRA
Swab vaginal: Neste exame, para a coleta amostra vaginal, não deve ser utilizado espéculo. A amostra é colhida da vagina inferior, introduzindo o swab por cerca de 2 cm , fazendo movimentos giratórios por toda a circunferência da parede vaginal. Não é recomendada a coleta de endocervix e fundo de saco.
Swab retal: Introduzir outro swab no reto, por cerca de 4 cm e fazer movimentos giratórios por toda a circunferência da parede do reto.
Os dois swabs devem ser colocados em um mesmo meio de transporte (Stuart).

CONSERVAÇÃO
O material inoculado adequadamente em meio de transporte deve ser encaminhado ao laboratório em no máximo 3 dias. Durante este período deve ser conservado em temperatura ambiente.

MÉTODO
Apesar de ser possível a identificação Estreptococos do grupo B em uma cultura rotineira de secreção vaginal, esta metodologia pode não apresentar uma sensibilidade ideal, e para que esta seja alcançada, a cultura é realizada em um meio de enriquecimento específico (Todd-Hewitt).

COMO SOLICITAR
Cultura para Estreptococos do grupo B – Swab vaginal + Swab retal
Código: 4.03.10.12-4


Este exame está disponível pela metodologia adequada em nossa rotina.
Solicite o material de coleta.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Centers for Disease Control and Prevention.
Prevention of Perinatal Group B Streptococcal Disease: A Public Health Perspective. 1996.
MMWR 1996; 45(RR-7): 1-24.
Disponível em
<http://www.cdc.gov/epo/mmwr/preview/mmwrhtml
/00043277.htm
> Acesso em 20/08/2007
2. SAMPAIO, Jorge Melo.
Prevenção da infecção neonatal por Streptococcus agalactiae
(Estreptococo do grupo B- GBS). São Paulo, Lab. Fleury, 2002.
Disponível em:
<http://www.fleury.com.br/Medicos/ SaudeEmDia/Artigos/Pages/
PrevençãodaInfecçãoNeonatalporStreptococcus
agalactiae (EstreptococodogrupoB-GBS).aspx
>
Acesso em 20/08/2007.